Instagram Facebook Twitter YouTube Flickr Spotify
10/06/2024

SC: TJ determina retomada imediata de entrega de sacolas com itens essenciais por familiares de pessoas privadas de liberdade no estado

Fonte: ASCOM/DPESC
Estado: SC
O Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) reformou, nessa quarta-feira (5), a decisão que suspendia a liminar que possibilitava a entrega de sacolas com itens essenciais alimentares e de higiene, custeados por familiares, a pessoas privadas de liberdade em unidades prisionais e do sistema socioeducativo catarinense. A decisão acolheu pedido da Ação Civil Pública ajuizada pela Defensoria Pública do Estado.
 
Desde 2020, nas semanas iniciais da pandemia de Covid-19, a entrada dos produtos estava proibida no sistema prisional catarinense, conforme a Portaria Nº 198 da Secretaria de Estado da Administração Prisional e Socioeducativa de Santa Catarina (SAP/SC), de 18 de março daquele ano.
 
A Defensoria Pública ingressou com a ação para retomar as entregas em julho de 2020, obtendo sentença favorável da 3ª Vara da Fazenda Pública da Capital. A decisão foi confirmada pelo TJSC em setembro de 2023, após recurso do Estado, que em seguida requereu a suspensão da medida liminar. Agora, com a decisão dessa quarta-feira, a sentença proferida no julgamento da Ação Civil Pública passa a produzir imediatos efeitos.
 
“Trata-se de importantíssima decisão do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina para garantir os direitos básicos das pessoas privadas de liberdade e assim a realização do princípio da dignidade humana, aqui materializado por intermédio do direito fundamental à saúde (alimentação adequada, higiene pessoal). É importante salientar que se tratam de itens essenciais como alimentos e produtos de higiene e custeados pelos familiares das pessoas privadas de liberdade”, diz a defensora pública Fernanda Aparecida Rocha Silva de Menezes, coordenadora do Núcleo Especializado de Política Criminal e Execução Penal (NUPEP).
 
A decisão garante o direito fundamental, e previsto em lei, das pessoas reclusas receberem produtos de necessidade básica adquiridos pelos próprios familiares, já que não são fornecidos pelo Estado. O Tribunal, assim, garante a aplicação da Lei de Execução Penal, promovendo, por meio da assistência e do convívio com a família, as condições para a reintegração social e o posterior retorno à convivência em sociedade.
 
A irretocável decisão do Egrégio Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina no agravo interno teve como relator o Desembargador Cid José Goulart Junior.
Compartilhar no Facebook Tweet Enviar por e-mail Imprimir
AGENDA
10 de julho (Brasília)
AGE
11 de julho (Senado)
Sessão Solene - 40 anos da ANADEP
13 de agosto (Brasília)
AGE
3 de setembro (Brasília)
AGE
1º de outubro (Brasília)
AGE
11 de novembro (Maranhão)
AGE
12 de novembro (Maranhão)
Reuniões das Comissões Temáticas e abertura do XVI CONADEP
12 a 15 de novembro (Maranhão)
XVI CONADEP
12 de dezembro (Brasília)
AGE
 
 
 
 
COMISSÕES
TEMÁTICAS
NOTAS
TÉCNICAS
Acompanhe o nosso trabalho legislativo
NOTAS
PÚBLICAS
ANADEP
EXPRESS
HISTÓRIAS DE
DEFENSOR (A)