Instagram Facebook Twitter YouTube Flickr Spotify
20/06/2022

SP: A pedido da Defensoria, TJ condena Estado a indenizar em R$ 100 mil pais de transexual espancada e assassinada aos 18 anos

Fonte: ASCOM/DPE-SP
Estado: SP
Após recurso interposto pela Defensoria Pública de SP, a Justiça decidiu majorar em 100% o valor da indenização aos pais de da jovem transexual Laura Vermont, que foi morta após sofrer espancamento. De acordo com a decisão, o Estado foi omisso no atendimento à vítima, o que justifica a condenação a indenizar por danos morais a família da jovem. Já a indenização por danos materiais foi afastada em primeira instância e assim mantida, sob o entendimento de que a morte não foi ocasionada diretamente pela ação policial.
 
O caso ocorreu em 2015, quando Laura tinha 18 anos. Após a agressão, a Polícia Militar (PM), acionada por populares que presenciaram o episódio, compareceu ao local. Conforme o voto vencedor indicou, "a vítima veio a óbito em razão das lesões sofridas, após ter sido brutalmente agredida por cinco homens, aparentemente em razão de ser uma pessoa transgênero. Os policiais já a encontraram gravemente ferida. Mas, mesmo assim, não prestaram o atendimento devido". 
 
O Tribunal de Justiça destacou, sobre o atendimento policial a "falta de diligência e de cuidado dos policiais militares em relação à vítima, o que possibilitou que ela tomasse a direção da viatura e ainda colidisse o veículo com um muro" e que "a pretexto de contê-la, os agentes estatais ainda a agrediram mais, efetuando inclusive um disparo de arma de fogo. Tudo isso apesar de a vítima apresentar porte físico bem menor que o dos policiais e ainda estar gravemente ferida". Ponderou, ainda, o Tribunal que embora a vítima visivelmente necessitasse de cuidados urgentes, foram prestados de forma inadequada, sendo que ela foi conduzida ao hospital por familiares, sendo solicitado que seguissem a viatura até o hospital. 
 
Os dois agentes envolvidos no caso, ainda conforme a decisão do TJSP, "apresentaram declarações falsas do ocorrido, na tentativa de se eximirem de suas responsabilidades, inclusive por depoimento de testemunha que posteriormente alegou ter sido coagida", o que redundou na penalidade de demissão da corporação.
 
Violência arbitrária e desproporcional
 
A Defensoria ajuizou ação pedindo indenização ao Estado por danos morais e materiais, a ser paga aos pais de Laura. “Não há dúvida de que os policiais agiram com violência arbitrária e desproporcional contra Laura – pessoa indefesa e desnorteada -, se omitiram do dever legal de prestar socorro e ainda atuaram para impedir e prejudicar as investigações policiais, condutas que denotam, não apenas despreparo para o cumprimento do mister que lhes compete, mas absoluto desprezo pela vida humana”, afirmaram na ação Isadora Brandão Araujo da Silva e Vinicius Conceição Silva Silva, do Núcleo Especializado de Defesa da Diversidade e da Igualdade Racial, e Davi Quintanilha Failde de Azevedo, Fernanda Penteado Balera e Letícia Marquez de Avellar, do Núcleo Especializado de Cidadania e Direitos Humanos. 
 
Na decisão, a Justiça acolheu parcialmente o pedido, afastando o pleito de indenização por danos materiais e estipulando que, a título de danos morais, o Estado pagasse R$ 50 mil aos genitores da vítima.
 
Por considerar que o valor não fazia frente aos danos morais provocados pela atuação policial, a Defensoria recorreu para majorar a indenização. A apelação ficou a cargo da Defensora Renata Groetaers dos Santos, que atua na unidade Fazenda Pública da Defensoria.
 
Omissão e truculência
 
“Os recorrentes perderam sua filha de apenas 18 anos de forma definitiva, tendo-a encontrado completamente ensanguentada em plena via pública, sob os olhos de dois agentes policiais, que nada fizeram para socorrê-la. Não bastasse a omissão dos policiais, estes agentes públicos, chamados para atender a ocorrência, qual seja, a agressão praticada contra Laura, contribuíram para o ciclo de violência, disparando arma de fogo contra a vítima já absolutamente indefesa e gravemente ferida”, argumentou a Defensora.
 
O caso foi analisado pela 6ª Câmara de Direito Público do TJ-SP. Após sustentação oral do Defensor Julio Grostein, do Núcleo Especializado de Segunda Instância e Tribunais Superiores da Defensoria, a segunda Juíza, Desembargadora Maria Olívia Alves, pediu vista, e o seu voto, acompanhado pelos demais, manteve o indeferimento da condenação por danos materiais, porém majorou a indenização por danos morais para R$ 100 mil.
 
“Na hipótese, é importante reforçar que a falha estatal foi de extrema reprovabilidade. Houve descaso e violência desnecessária no atendimento à jovem vítima”, considerou a Magistrada.
 
“Diante da sua situação de extrema vulnerabilidade, não se justificava ainda a efetivação de um disparo que acabou por atingir seu braço. Não houve contenção eficiente e proporcional. Ou seja, a filha dos autores, de apenas 18 anos de idade, havia sido covardemente agredida e, portanto, a abordagem policial se justificava, para que a agressão fosse interrompida, o socorro imediato fosse prestado e os danos fossem amenizados. Mas não foi isso o que ocorreu. Os policiais conseguiram agredir mais a vítima e aumentar o sofrimento vivenciado por seus pais”, pontuou a Desembargadora.
Compartilhar no Facebook Tweet Enviar por e-mail Imprimir
AGENDA
06 de julho
AGE
03 de agosto
AGE
31 de agosto
Reunião de Diretoria
01 de setembro
AGE
05 de outubro
AGE
08 de novembro, Goiás (CONADEP)
AGE
08 A 11 de novembro, em Goiânia (GO)
XV Congresso Nacional das Defensoras e Defensores Públicos
14 de dezembro
AGO de eleição
13 de dezembro
Reunião de Diretoria
 
 
 
COMISSÕES
TEMÁTICAS
NOTAS
TÉCNICAS
Acompanhe o nosso trabalho legislativo
NOTAS
PÚBLICAS
ANADEP
EXPRESS
HISTÓRIAS DE
DEFENSOR (A)