Instagram Facebook Twitter YouTube Flickr
08/08/2016

Os impactos para a Defensoria pública e para a sociedade com o Projeto de Lei Complementar 257/2016

Fonte: PAULINO FERNANDES

*PAULINO FERNANDES

Talvez o mais ameaçador momento legislativo que presenciaremos no País, seja o que presentemente nos rodeia, com a tramitação do PLC nº 257/2016.

No campo da Justiça, além do Ministério público e do Judiciário, a Função, que deveria ser a mais preservada, sente-se ameaçada, caso o referido Projeto seja aprovado nos próximos dias. Sob o argumento defendido pelos autores do PLC, de necessidade de redução/contenção de despesas, a sociedade, em especial a que necessita de defensor público, no Brasil, pode vir a ser, terrivelmente penalizada, se o Projeto se tornar Lei.

O PLC (Projeto de Lei Complementar) impõe um alto custo social e humano aos usuários da Administração pública, em especial para aqueles que necessitam dos serviços da Defensoria Pública. Esta essencial função da Justiça (repise- se tantas quantas vezes) ganhou musculatura, recentemente, com a Emenda constitucional nº 80 de 2014, a qual prevê um crescimento de seus quadros, para um maior e melhor atendimento à população. Todavia, o PLC 257 pode pôr à deriva os direitos e passos positivos já galgados com a Emenda, uma vez que impõe um grave retrocesso, em tema de prestação jurisdicional à população carente.

Além de constituir verdadeira afronta aos princípios da Separação dos poderes e do Federalismo (consagrados na Constituição da República Federativa do Brasil), o Projeto de Lei põe, em total insegurança, os princípios que norteiam o Direito Administrativo, quais sejam: do interesse público e da supremacia do interesse público, tendo em vista que impõe aos Estados, diretamente, condições para negociação de suas dívidas, olvidando-se da autonomia da Defensoria pública, conquistada, duramente, ao longo dos últimos anos, bem como da própria autonomia dos Estados-membros, enquanto entes federados. Sob o fundamento de que poderá haver demissão de servidores, mesmo que já estabilizados no cargo, supostamente se apoiando na previsão de contenção de despesas, previstas no Art. 169 da Constituição atual, o PLC é um claro exemplo de agressão às cláusulas pétreas. Em sendo assim, não deveria sequer ter ultrapassado a fase de deliberação na Comissão de Constituição e Justiça da Casa. Matemática e juridicamente, se o Texto constitucional veda até mesmo uma proposta de emenda, que vise a abolir direitos e garantias fundamentais; mais ainda, inibe projeto de lei, no mesmo sentido, pois que este é hierarquicamente inferior à espécie normativa emenda. E dizemos sim que o PLC tende a abolir, em linhas gerais, os direitos e garantias fundamentais; e em pontos específicos destes, destacadamente: os direitos e deveres individuais e coletivos (quando suprime ou reduz a assistência jurídica, privando o cidadão ou a população carente, de sua imprescindível aliada, que é a Defensoria Pública); os direitos sociais (quando afasta os necessitados de garantirem seus direitos à saúde, à educação, à moradia e a todo o elenco dos consagrados direitos de segunda dimensão, mas que também se petrificaram; aos direitos dos trabalhadores (quando põe à deriva toda a leva de servidores, celetistas ou estatutários).

Especificamente, em relação à Defensoria pública, a partir da autonomia administrativa e financeira já a ela conferida, toda a sociedade hoje reconhece este Órgão, como imprescindível à Justiça e, porquanto, à vida. Nenhum usuário da Administração pública consegue trilhar mais seus caminhos, em busca da almejada paz social e da verdadeira justiça, sem o patrocínio de um Defensor Público.

É imperioso, pois, que todo o País se mobilize contrariamente, à aprovação do PLC 257, cuja deliberação legislativa se avizinha. Precisamos todos gritar NÃO ao PLC. Parafraseando Clarice Lispector: “Porque há o direito ao grito, então eu grito”. Gritemos nós, porquanto.

*Defensor Público e Professor; Mestre em Letras, com Especialização em Direito processual penal; em Estudos Literários e Culturais e em Docência do Ensino Superior.

Compartilhar no Facebook Tweet Enviar por e-mail Imprimir
AGENDA
27, 28 e 29 de agosto
Atividades legislativas
28 de agosto às 11 horas
Câmara dos Deputados homenageará Defensoria Pública
28 e 29 de agosto
CONIP 2019
4 de setembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
2 de outubro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
12 de novembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
11 de dezembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
1º de outubro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
10 de dezembro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
12 a 15 de novembro - Rio de Janeiro
XIV Congresso Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (CONADEP)
XIV CONADEP
ANADEP INOVA
Escola Nacional das Defensoras e Defensores Públicos do Brasil
Novas 100 regras de Brasília
COMISSÕES
TEMÁTICAS
NOTAS
TÉCNICAS
Acompanhe o nosso trabalho legislativo
NOTAS
PÚBLICAS
ANADEP
EXPRESS
HISTÓRIAS DE
DEFENSOR (A)