Instagram Facebook Twitter YouTube Flickr
22/06/2016

Autonomia pressuposta aos papéis iluminista e contramajoritário da Defensoria Pública – Por Ígor Araújo de Arruda

Fonte: emporiododireito.com.br

1. Introdução

Em palestra ministrada na “New York University”, em 04/12/2015, sobre o papel das Cortes Constitucionais no mundo contemporâneo[1], o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso asseverou que a Suprema Corte exerce três papéis essenciais: contramajoritário, representativo e iluminista.

As funções contramajoritária e representativa já eram de conhecimento da comunidade jurídica, sendo de certa forma inovadora a expressão “papel de vanguarda iluminista”[2].

O papel contramajoritário de uma Corte Constitucional significa a função de invalidação de leis e atos normativos, isto é, de atos oriundos da vontade das maiorias (órgãos Legislativo e Executivo).

O constitucionalista asseverou em sua palestra que “este é um papel legítimo dos tribunais, notadamente quando atuam, em nome da Constituição, para protegerem os direitos fundamentais e as regras do jogo democrático, mesmo contra a vontade das maiorias”, defendendo a distinção entre judicialização e ativismo judicial.

O papel representativo do Supremo Tribunal tem duas facetas: i) em decorrência da omissão inconstitucional do Legislativo, é chamado a integrar a ordem jurídica; ii) atender demandas sociais não satisfeitas tempestiva e adequadamente pelo Poder Legislativo. O enunciado n. 13 de Súmula Vinculante (proibição extraída dos princípios da moralidade administrativa e da impessoalidade) e a greve dos servidores públicos são exemplos de função representativa do STF.

Para o indigitado ministro a execução de políticas públicas por meio de intervenção do Poder Judiciário[3] está situada entre os papéis contramajoritário e representativo da Suprema Corte.

Segundo o constitucionalista Barroso o papel iluminista da Corte Constitucional é a função de, em nome de valores racionais, com parcimônia e autocontenção, promover certos avanços sociais e civilizatórios e impulsionar o desenvolvimento da história, superando-se discriminações e preconceitos prejudiciais ao Estado Democrático de Direito.

Como exemplo, no Brasil, temos o reconhecimento das uniões homoafetivas (relacionamento afetivo entre pessoas do mesmo sexo) como entidades familiares equiparadas às uniões estáveis convencionais (ADI 4.277 e ADPF 132); reconhecimento, em sede cautelar, do sistema prisional como “estado de coisas inconstitucional”, isto é, existência de quadro permanente e insuportável de violações a direitos fundamentais a exigir intervenção jurisdicional de ordem estrutural e orçamentária, como providências para instalação de audiências de custódia e descontingenciamento de recursos do Fundo Penitenciário (ADPF 347); utilização de banheiros por transexuais em consonância com sua identidade de gênero, e não pelo sexo biológico (RE-RG 845.779 em trâmite)[4].

2. Desenvolvimento

O exercício dos referidos papéis iluminista e contramajoritário pelas Cortes Constitucionais é alvo de críticas[5], cujos objetivos deveriam ser perseguidos por outros órgãos e entidades vocacionados ao progresso moral e social, aos direitos humanos e cívicos, à difusão da cultura, da cidadania e do ordenamento jurídico à sociedade, buscando avanços sociais e civilizatórios e promovendo democraticamente o desenvolvimento da história, superando-se discriminações, preconceitos e violações insuportáveis a direitos fundamentais das pessoas humanas.

2.1. Dos papéis iluminista e contramajoritário da Defensoria Pública e do destinatário da Assistência Jurídica Integral e Gratuita prestada pelo Estado-Defensor

Afastando-se das Cortes Constitucionais e do próprio Órgão Judiciário, tais funções são incumbidas essencialmente ao Legislativo, ao Executivo, à Defensoria Pública, ao Ministério Público e a demais órgãos com finalidade temática na defesa de matérias diretamente ligadas ao iluminismo social.

Em destaque, e visando ao objetivo maior deste articulado, destaco a atuação da Instituição permanente Defensoria Pública, cuja autonomia deve ser pressuposto básico e indispensável para seu exercício fundante e vocacionado à defesa de temas críticos e sensíveis à coletividade e caros à sociedade, senão vejamos.

A Defensoria Pública é considerada “expressão e instrumento do regime democrático”, conforme nova redação do artigo 134, “caput”, da Constituição da República (CRFB), dada pela Emenda Constitucional (EC) n. 80/2014, constitucionalizando o art. 1.º da LC n. 80/94 (“LONDP” – Lei Orgânica Nacional da Defensoria Pública)[6].

A Instituição Defensorial tem por vocação constitucional a defesa (acepção ampla de suas missões institucionais) dos “necessitados”, conceito jurídico indeterminado, sem limitação constitucional prévia, não adstrito à semântica econômica.

Os destinatários da Assistência Jurídica Integral e Gratuita (“AJIG”) prestada pelo Estado-Defensor são todas as pessoas necessitadas, as quais demonstrem “insuficiência de recursos” (art. 5.°, inc. LXXIV, CRFB), isto é, que estejam em situação de vulnerabilidade, seja de ordem permanente ou existencial, seja de caráter circunstancial ou momentâneo, consoante preceitua o artigo 4.°, inc. XI, da LONDP[7], cuja missão da Defensoria é, também, defender interesses individuais e coletivos de diversos grupos sociais vulneráveis que mereçam proteção especial do Estado.

A exegese limitadora do destinatário do direito fundamental da “AJIG” prestada pelo Estado[8] ao critério econômico-financeiro já foi superada, não cabendo à Defensoria Pública defender interesses tão somente de “pobres na forma da Lei” e de pessoas que sejam “beneficiárias” (titulares de direito subjetivo estatal: credoras/destinatárias) da gratuidade da justiça (art. 98 do CPC/2015 c/c Lei n. 1.060/50), confundindo-se conceitos jurídicos distintos de assistência judiciária gratuita, gratuidade judiciária ou da justiça e assistência jurídica gratuita (missão constitucional defensorial)[9].

Se a Constituição brasileira (CRFB/88) instituiu como objetivo fundamental da República Federativa do Brasil “erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais” (artigo 3.°, inc. III), previu a Defensoria Pública como Instituição Permanente (art. 134, “caput”, da CRFB c/c EC n. 45/2004 e 80/2014), interpretar a missão constitucional da Defensoria como exclusiva “defesa dos pobres” implica evidente contrariedade.

Ou a Constituição previu objetivo republicano de impossível cumprimento (“erradicar a pobreza”), falseando seu desiderato aos cidadãos e destinatários da norma, devendo ter antecipado o verbo núcleo “reduzir” para todo o inciso III do aludido dispositivo constitucional (“reduzir a pobreza e a marginalização…”), ou negou o caráter permanente da Defensoria Pública, eliminando-se sua existência constitucional e sua necessidade institucional após concluso o trabalho hercúleo de erradicação da pobreza e da marginalização, cuja missão também lhe fora dada de vários modos pela LC n. 80/94, a qual traça suas finalidades precípuas, interpretando-se adequadamente a Constituição do Brasil.

Em outros termos, significa dizer que a Defensoria Pública não é mero órgão de assistencialismo social, de assistência judiciária gratuita, de defesa dos pobres e hipermiseráveis (por exemplo, pessoas cadastradas no Cadastro Único do Governo Federal)[10], configurando-se como Instituição permanente, expressão e instrumento do regime democrático, defensora dos direitos humanos, prestadora de assistência jurídica integral e gratuita, individual e coletiva, pelo Estado, visando à defesa plena, integral, libertadora e empoderadora dos necessitados, buscando-se acesso à Justiça (ordem jurídica justa e cidadania efetiva), difusão do ordenamento jurídico[11] e da informação cultural (instituição “amiga do ordenamento jurídico”)[12], como forma de prevenir litígios (busca da paz social e combate à cultura da litigância judicial ou social)[13] e promovendo avanços sociais, civilizatórios, democráticos, superando-se “barreiras ideológicas”[14].

A atuação contramajoritária e a iluminista da Defensoria Pública significam defesa de minorias (não necessariamente quantitativa /numérica) e de grupos sociais vulneráveis merecedores de proteção especial do Estado, de pessoas, grupos e categorias excluídas ou estigmatizadas social, econômica, cultural ou politicamente, cuja missão tem como reflexo natural o desconhecimento (pré-conceito) e a resistência de poderes e órgãos públicos, entidades detentoras de poder econômico e político, senão também da própria sociedade, precisando de base e estruturação fundante (autonomia institucional) para exercício independente de seu mister.

2.2. Da autonomia institucional da Defensoria Pública como avanço constitucional, social e civilizatório

Uma Instituição com assento constitucional não pode atuar com temor de represálias ou risco de suicídio/homicídio institucional, sufocando-se sua atuação por meio de ataques a membros (independência funcional), retirada orçamentária (autonomia de proposição orçamentária) com atrofia estrutural e de expansão geográfica (art. 98, “caput” e § 1.° da ADCT) e temática (núcleos especializados[15] nas temáticas humanista e iluminista, de enfrentamento à exclusão e invisibilidade sociais, à marginalização, discriminação e ao preconceito, como os núcleos de defesa da mulher, do idoso, da criança, adolescente e jovens, de pessoas com deficiência ou em situação de rua ou moradia irregular, de direitos humanos, da população carcerária, de combate à discriminação racial e de gênero etc.).[16]

Incoerente e antidemocrático qualquer ataque político-jurídico à autonomia da Defensoria Pública (ADI 5.296/DF)[17], prejudicando a defesa dos direitos fundamentais das pessoas sem dignidade humana (mínimo existencial) e direitos básicos de sobrevivência humana, além da construção de uma sociedade plural, inclusiva, democrática e libertadora.

A autonomia institucional-defensorial não é enfeite e deleite constitucional, mas garantia elementar de atuação efetiva e proativa, em defesa dos vulneráveis econômicos, jurídicos e organizacionais, cujo único escudo protetor é oriundo de Instituição autônoma e desvinculada de intervenções externas e políticas.

As EC n. 45/2004, 74/2013 e 80/2014 representam verdadeiro avanço social e democrático no Brasil, figurando o interesse de suposta inconstitucionalidade inequivocamente um retrocesso social, com receio de empoderamento da população invisível e marginalizada, cuja participação cidadã com maior grau de conhecimento incomoda interesses políticos escusos e contraproducentes, exigindo-se remodelagem na administração pública e na efetivação de políticas públicas comezinhas, mas ignoradas.

3. Conclusão

A autonomia de uma Função Essencial à Justiça (“FEJ”), como a Instituição Defensorial, não é meio de obtenção de regalias, de autoconcessão de benefícios, mas sim instrumento de sobrevivência institucional e de dignidade a milhares de pessoas dependentes de órgão estatal defensor das garantias básicas e da regularidade de serviços e políticas públicas, além de inclusão social e econômica.

A Defensoria Pública, além dos destinatários da norma constitucional da AJIG pelo Estado-Defensor (art. 5.°, inc. LXXIV, CRFB), precisa do fortalecimento de sua autonomia[18], de seu reconhecimento em termos estruturais, pessoais, reais e orçamentários, figurando a tentativa de sua eliminação ou enfraquecimento inequívoco ataque social, retrocesso incalculável às funções essenciais à justiça, ao Estado Democrático de Direito e ao bem-estar social.

Mormente numa época em que alguns Juízos destituem a Defensoria Pública dos autos de processo-crime para nomear advogado dativo[19] na defesa criminal técnica de necessitado[20]; afasta a legitimidade defensorial[21] ativa na tutela de interesses difusos e coletivos[22]; “nomeia Defensor Público” em lugar da intimação da Instituição Defensorial (arts. 134, § 4.º, da CRFB, c/c 3.° da LONDP) para exercício de atribuição legalmente prevista[23]; em que o Executivo corta e reduz seu orçamento anual, ainda mesmo sem discussão das propostas no Legislativo (ADI 5.381/PR[24], ADI 5.286 e 5.287[25] e ADPF 339); contrata advogados para exercício da função defensorial típica (atuação no sistema carcerário; defesa técnica na audiência de apresentação de adolescentes representados por ato infracional; assistência jurídica municipal – “Defensoria Municipal”).


Notas e Referências: 

[1] Informação extraída da Revista Jurídica eletrônica Conjur. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2015-dez-07/judicializacao-nao-confunde-ativismo-judicial-barroso. Acesso em 10 dez. 2015.

[2] Acesse a íntegra do esboço da palestra o ministro Luís R. Barroso com a explicação dos papéis contramajoritário, representativo e iluminista. Disponível em: http://s.conjur.com.br/dl/notas-palestra-luis-robertobarroso.pdf. Acesso em 10 dez. 2015.

[3] Leia o Artigo deste Autor acerca da atuação da Defensoria Pública na concretização de políticas públicas de maneira coletiva, extrajudicial e proativa, sem necessária intervenção judicial. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11851. Acesso em 1.° de maio de 2016.

[4] Para entender melhor o tema, recomendo a leitura do Artigo de coautoria dos Defensores Públicos Vitor Eduardo Tavares de Oliveira (DPE-PR) e Vanessa Alves Vieira (DPE-SP). Disponível em: http://justificando.com/2016/01/29/quais-as-vidas-sao-passiveis-de-usar-o-banheiro/. Acesso em: 11 jun. 2016.

[5] Bruno Torrano, Mestre em Filosofia e Teoria do Estado, e Assessor de Ministro do STJ, vislumbra ofensa à separação dos Poderes (inexistência de instrumentos de freios e contrapesos nas decisões da Suprema Corte) e à teoria da democracia no exercício do papel iluminista pelo STF, além de possível excesso de ativismo judicial. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2016-jan-31/bruno-torrano-supremo-tribunal-federal-nao-papel-iluminista. Acesso em: 11 jun. 2016.

[6] Leia o Artigo deste Autor “ampliação constitucional à Defensoria Pública e aos Assistidos: EC n. 80/2014” acerca das alterações do texto constitucional promovidas pela Emenda Constitucional n. 80/2014. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/28951/ampliacao-constitucional-a-defensoria-publica-e-aos-assistidos. Acesso em 11 jun. 2016.

[7] Art. 4º São funções institucionais da Defensoria Pública, dentre outras: (…) XI – exercer a defesa dos interesses individuais e coletivos da criança e do adolescente, do idoso, da pessoa portadora de necessidades especiais, da mulher vítima de violência doméstica e familiar e de outros grupos sociais vulneráveis que mereçam proteção especial do Estado;

[8] Entenda o conceito de “Assistido”, bem como de “Núcleo Regional”, da Lei Orgânica Nacional da Defensoria Pública (LC n. 80/94) no Artigo deste Autor. Disponível em: http://justificando.com/2015/07/13/vocabulario-defensorial-assistido-e-nucleo-regional/. Acesso em: 11 jun. 2016.

[9] Artigo 4.°, § 5.º: “A assistência jurídica integral e gratuita custeada ou fornecida pelo Estado será exercida pela Defensoria Pública.”

[10] Conheça o teor do PLP 234/16, de proposta original da OAB-SP, intentando reduzir o conceito de necessitado constitucional para pessoa hipossuficiente econômica e inscrita no Cadastro Único dos programas sociais do governo federal. Íntegra da proposta disponível em: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/ASSISTENCIA-SOCIAL/510263-PROJETO-CLASSIFICA-COMO-HIPOSSUFICIENTE-OS-INSCRITOS-NO-CADASTRO-DE-PROGRAMAS-SOCIAIS.html. Acesso em: 11 jun. 2016.

[11] Art. 4º São funções institucionais da Defensoria Pública, dentre outras: (…) II – promover, prioritariamente, a solução extrajudicial dos litígios, visando à composição entre as pessoas em conflito de interesses, por meio de mediação, conciliação, arbitragem e demais técnicas de composição e administração de conflitos;

[12] Expressão utilizada por Franklyn Roger Alves Silva, Defensor Público na DPE-RJ, Mestre e Doutorando em Direito Processual (UERJ). Artigo disponível em: http://www.conjur.com.br/2015-ago-11/tribuna-defensoria-defensoria-publica-hoje-papel-amiga-ordenamento-juridico. Acesso em: 11 jun. 2016.

[13] Artigo 4.°, II – promover, prioritariamente, a solução extrajudicial dos litígios, visando à composição entre as pessoas em conflito de interesses, por meio de mediação, conciliação, arbitragem e demais técnicas de composição e administração de conflitos;

[14] Expressão utilizada por M. L. Canziani, citada por Carminha Soares no livro “a inclusão social e a mídia: um único olhar”. São Paulo: Cortez, 2009, pág. 21-2.

[15] LC n. 80/94, art. 107. “A Defensoria Pública do Estado poderá atuar por intermédio de núcleos ou núcleos especializados, dando-se prioridade, de todo modo, às regiões com maiores índices de exclusão social e adensamento populacional.”

[16] Confira o Artigo de Tiago Fensterseifer, Defensor Público na DPE-SP, Mestre e Doutor em Direito Público (PUC-RS), defendendo a autonomia da Defensoria Pública para defesa dos direitos sociais dos necessitados. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2016-jun-07/autonomia-defensoria-fundamental-defesa-necessitados. Acesso em: 07 jun. 2016.

[17] O plenário do STF negou, na sessão do dia 18/05/2016, um dia antes da data nacional comemorativa da Defensoria Pública (19/05), o pedido de concessão de cautelar para suspensão da eficácia do parágrafo 3.º do art. 134 da CRFB (EC n. 74/2013). Notícia disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=316898. Acesso em: 11 jun. 2016.

[18] Leia o Artigo deste Autor sobre meios de efetivação da autonomia da Defensoria Pública. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=13385. Acesso em: 12 jun. 2016.

[19] Notícia disponível em: http://www.conjur.com.br/2015-nov-15/defensoria-nao-discordar-acusacoes-apresentar-fundamentos. Acesso em: 10 dez. 2015.

[20] Entenda melhor o caso com o Artigo de Bruno de Almeida Passadore, Defensor Público na DPE-PR e Mestre em Direito Processual Civil (USP), disponível em: http://emporiododireito.com.br/e-juridicamente-impossivel-a-desconstituicao-judicial-da-defensoria-publica-em-sua-atuacao-institucional-por-bruno-de-almeida-passadore/. Acesso em: 11 jun. 2016.

[21] Legitimidade revigorada após julgamentos pelo STF (ADI 3.943/DF e RE-RG 733.433) e pelo STJ (EREsp 1.192.577/RS), a par da EC n. 80/2014 (artigo 134, “caput”, CRFB) e das legislações específicas.

[22] Entenda melhor o debate no STJ com a leitura de dois Artigos de Maurilio Casas Maia, Defensor Pública na DPE-AM, Mestre em Ciências Jurídicas (UFPB), disponível em: (i) http://emporiododireito.com.br/os-idosos-ficarao-orfaos-da-defensoria-publica/ e (ii) http://emporiododireito.com.br/stj-por-um-processo-coletivo-mais-democratico-e-pro-cidadania-coletividades-hipervulneraveis-respiram-aliviadas-com-o-eresp-1192577-por-maurilio-casas-maia/. Acesso em: 11 jun. 2016.

[23] Confira o Artigo deste Autor sobre a atuação do Defensor Público, distinção constitucional entre Defensoria Pública e Advocacia Pública e a autonomia institucional defensorial. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/23468/defensor-publico-nao-exerce-advocacia-publica. Acesso em: 11 jun. 2016.

[24] Notícia disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=316901. Acesso em: 11 jun. 2016.

[25] Notícia disponível em: http://stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=316903. Acesso em: 11 jun. 2016.

 

Ígor Araújo de Arruda é Defensor Público na Defensoria Pública do Estado de Pernambuco (DPE/PE) desde outubro de 2015. Foi Defensor Público no Estado do Maranhão (DPE/MA) entre 23/04/2012 e 30/09/2015. Pós-graduado em Direito Público pela Universidade Anhanguera-Uniderp/LFG. Aprovado Defensor Público no 1.º concurso público da Defensoria Pública do Estado da Paraíba (DPE/PB – 2014-5). Professor-Orientador no curso MEGE preparatório para concursos públicos das Carreiras Jurídicas. Criador-moderador da página social “Defensoria Pública – Modo de fazer / Defensor Público Ígor Arruda” (www.facebook.com.br/defensoriamodofazer).

Compartilhar no Facebook Tweet Enviar por e-mail Imprimir
AGENDA
27, 28 e 29 de agosto
Atividades legislativas
28 de agosto às 11 horas
Câmara dos Deputados homenageará Defensoria Pública
28 e 29 de agosto
CONIP 2019
4 de setembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
2 de outubro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
12 de novembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
11 de dezembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
1º de outubro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
10 de dezembro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
12 a 15 de novembro - Rio de Janeiro
XIV Congresso Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (CONADEP)
XIV CONADEP
ANADEP INOVA
Escola Nacional das Defensoras e Defensores Públicos do Brasil
Novas 100 regras de Brasília
COMISSÕES
TEMÁTICAS
NOTAS
TÉCNICAS
Acompanhe o nosso trabalho legislativo
NOTAS
PÚBLICAS
ANADEP
EXPRESS
HISTÓRIAS DE
DEFENSOR (A)