Instagram Facebook Twitter YouTube Flickr
21/10/2015

Nem todos são iguais para o projeto do “Estatuto de Família”

Fonte: DPE-TO
Estado: TO
A aprovação do Projeto de Lei denominado “Estatuto da Família” na CCJ - Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Federal é inconstitucional. Para chegar a tal conclusão, basta uma simples leitura do texto. Tal inconstitucionalidade não se limita apenas à questão da exclusão dos casais homoafetivos do conceito de família, contrariando ao que já estabelecido por uma interpretação constitucional do STF.
 
Da análise dos artigos 3º e 5º do Estatuto é possível verificar que, se aprovado, as políticas públicas de promoção dos direitos mínimos existenciais serão acessíveis, com prioridade, aos entes familiares. Logo, pessoas solteiras, sem filhos e sem “sua família de ascendência” (órfãos sem avó, por exemplo) também não teriam “prioritariamente” acesso às políticas públicas. Num país em que acesso à educação, saúde, lazer, cultura são artigos de luxo, não estar no rol das prioridades importa em exclusão.
 
Na motivação do Projeto, afirmou-se que a valorização da família é necessária. Tal entendimento encontrou fundamento em convicções pessoais do proponente, mas também na proteção constitucional. Apesar de a família gozar de proteção constitucional, verifica-se que a inconstitucionalidade está não na pretensão de valorizar a família, mas em excluir do conceito de família, alguns arranjos familiares.
 
E é nesse tocante que há a violação frontal ao mais importante dispositivo da Constituição: o artigo 5º que preconiza que todos são iguais perante a lei.
 
Ora, se todos são iguais para o Estado, como nortear políticas públicas com prioridade para uns em detrimento de outros? Se é no núcleo familiar que o indivíduo é mais protegido e amparado, não parece um erro priorizar políticas públicas para excluir aqueles não inseridos no contexto de família? Não são os excluídos os que mais precisam de proteção estatal?
 
O que parece é que o parlamento se tornou um palco de afronta à Constituição com fundamento nas “íntimas convicções”, reais ou não, daqueles que deveriam, como representantes do povo, obedecer ao texto constitucional.
 
Não cabe ao Estado dizer o que é família, ou que há uniões mais importantes do que outras, sob pena de violação à sua principal norma: a Constituição. E, em que pesem os apaixonados argumentos favoráveis ao “Estatuto da Família” e às boas intenções de seus defensores, tem-se que este viola a Constituição e a cidadania, porque cria ou fomenta a existência de cidadãos de primeira e de segunda categoria, o que resulta na negação da democracia e do pluralismo que são os fundamentos basais do Estado Brasileiro. 
 
Elydia Leda Barros Monteiro é defensora pública e coordenadora  do NDDH – Núcleo Especializado de Defesa dos Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado do Tocantins
 
Compartilhar no Facebook Tweet Enviar por e-mail Imprimir
AGENDA
27, 28 e 29 de agosto
Atividades legislativas
28 de agosto às 11 horas
Câmara dos Deputados homenageará Defensoria Pública
28 e 29 de agosto
CONIP 2019
4 de setembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
2 de outubro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
12 de novembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
11 de dezembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
1º de outubro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
10 de dezembro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
12 a 15 de novembro - Rio de Janeiro
XIV Congresso Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (CONADEP)
XIV CONADEP
ANADEP INOVA
Escola Nacional das Defensoras e Defensores Públicos do Brasil
Novas 100 regras de Brasília
COMISSÕES
TEMÁTICAS
NOTAS
TÉCNICAS
Acompanhe o nosso trabalho legislativo
NOTAS
PÚBLICAS
ANADEP
EXPRESS
HISTÓRIAS DE
DEFENSOR (A)