Instagram Facebook Twitter YouTube Flickr
10/08/2016

A quem interessa enfraquecer a Defensoria Pública?

Fonte: Elydia Leda Barros Monteiro
Estado: TO

Há pouco mais de um ano, após o julgamento da ADI 3943 essa pergunta repercutiu, vez que fora feita pela Ministra Carmem Lúcia do STF – Supremo Tribunal Federal, em seu voto.

De lá para cá, houve muitas mensagens ressaltando a importância da Instituição como ferramenta de promoção do acesso à Justiça.

Ocorre que no meio do caminho havia uma crise não apenas de ordem econômica e política, mas sobretudo social. Há tempos vem se desenhando um panorama de retrocessos nas áreas de direitos humanos e cidadania. Os detentores do poder dirigem o pêndulo da estrutura administrativa para o Estado enxuto em pessoal, em gastos e em Justiça Social.

Nesse quadro quem paga a conta são os mais vulneráveis, os marginalizados, excluídos, ou seja, o público da Defensoria Pública. Portanto, fácil constatar que a primeira Instituição e a mais afetada seja esta que tem como missão emprestar voz e ouvidos aos invisíveis.

O PL 257/16, a despeito do disfarce de solução para os problemas econômicos do país, na verdade importa em graves retrocessos não apenas para o funcionalismo público, mas para a população mais pobre.

No âmbito da Defensoria Pública do Tocantins, por exemplo, a vigência da norma implicaria no fechamento de mais de 30 unidades. Significa dizer que mais de 126 municípios ficarão sem a cobertura do atendimento, tanto para ações novas, quanto para as já existentes e que, por suposto, precisam de acompanhamento.

Significa dizer que as ações de reconhecimento de paternidade, alimentos, ações para tratamento de saúde e de medicamentos, defesa criminal, ficarão limitados a poucos, pouquíssimos municípios do Estado, já tão castigado pela falta de recursos e pelo histórico de exclusão.

Nesse contexto não dá para entender o PL 257/16 como uma forma de reduzir a crise, mas sim de agravá-la, relegando aos frágeis e excluídos o pagamento dessa conta que, certamente, não foi causada por eles.

Por causa disso, a pergunta da ministra nunca foi tão oportuna. Afinal, a quem interessa enfrequecer a Defensoria? Afinal, é justo que a população pobre do Tocantins e do Brasil paguem a conta da corrupção? Afinal, a quem interessa o PL 257/16?

Elydia Leda Barros Monteiro é defensora pública do Tocantins.

Compartilhar no Facebook Tweet Enviar por e-mail Imprimir
AGENDA
27, 28 e 29 de agosto
Atividades legislativas
28 de agosto às 11 horas
Câmara dos Deputados homenageará Defensoria Pública
28 e 29 de agosto
CONIP 2019
4 de setembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
2 de outubro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
12 de novembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
11 de dezembro de 2019
Assembleia Geral Extraordinária (AGE)
1º de outubro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
10 de dezembro de 2019
Reunião de Diretoria da ANADEP
12 a 15 de novembro - Rio de Janeiro
XIV Congresso Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (CONADEP)
XIV CONADEP
ANADEP INOVA
Escola Nacional das Defensoras e Defensores Públicos do Brasil
Novas 100 regras de Brasília
COMISSÕES
TEMÁTICAS
NOTAS
TÉCNICAS
Acompanhe o nosso trabalho legislativo
NOTAS
PÚBLICAS
ANADEP
EXPRESS
HISTÓRIAS DE
DEFENSOR (A)